Skip to toolbar

Perfil de Membro: Lorena Duarte

Lorena no seu tempo de infância no Brasil.

A hora da Coroação se aproxima e nossa Princesa da Bateria , Lorena Mariana (29 anos), nos falou um pouco sobre a sua história e sua relação com o samba:

SambaLá: Querida Lorena, de onde veio esse amor pelo samba? 

Lorena: Eu amo o samba! Minha relação com Ele começou quando eu ainda era uma menina. Desde criança eu já tinha o desejo de ser uma passista. Mas esse sonho só se concretizou muitos anos depois; e por mais incrível que pareça nos Estados Unidos da América.

Sambalá: Conte-nos um pouco sobre a sua infância.

Lorena:  Sou natural de Minas Gerais, filha mais velha de pais muito amorosos. Somos uma família muito simples, mas nunca faltou o básico. Sempre fui uma menina muito brincalhona que gostava de dançar… Dançava vários ritmos, mas sentia uma forte energia quando eu ouvia uma bateria de escola de samba. É incrível como o som dos instrumentos tem o poder de me envolver. Como uma boa brasileira, sempre gostei muito de Carnaval.

Mesmo sendo mineira, eu adorava acompanhar os Desfiles das Escolas de Samba pela TV e me acabava de dançar em casa. Aos 10 anos,  me encantava com as fantasias, as cores lindas e vibrantes, a história por trás de cada ala, os magníficos carros alegóricos, a música, o samba enredo, as passistas lindas; e tudo mais que envolve o desfile de carnaval, simplesmente fazia meus olhos brilharem. Então eu passava horas na frente da TV assistindo essa festa cultural maravilhosa.

Lorena se espelhava em famosas passistas.

SambaLá:  Quando você decidiu que queria ser uma passista. Você se espelhou ou se espelha em alguma passista famosa?

Lorena: Me recordo de um momento muito especial, quando ainda criança, assistindo os desfiles das escolas de samba ao lado da minha mãe, eu dançava em frente à TV e tentava imitar as passistas, seu rebolado, sua alegria. Nessa ocasião, eu disse à minha mãe que queria ser uma passista, que queria ser igual a Globeleza, Valeria Valenssa. Eu sempre a achei incrível.

Lembro das palavras da minha mãe: – Você já é um passista minha filha… E é claro, isso me encheu de orgulho e força!!!

SambaLá: Você se achava parecida com a Globeleza?

Lorena: Seu samba com elegância e doçura sempre me encantou e por anos eu até cheguei a imaginar que eu tivesse alguma semelhança com ela. Sua cor, seu corpo, seu cabelo, seu sorriso e é claro eu queria ser como ela, dançar como ela e representar o samba de alguma forma…E por muito tempo dancei e cantei a música da vinheta da Globeleza.

O tempo foi passando, eu cresci e continuei sendo a boba da família ou a mais exibida, que ficava dançando samba, sem me importar com nada. O mais interessante é que eles gostavam de ver, achavam bonito ou engraçado, mas assistiam minhas imitações, o que me alegrava, me incentivava a continuar e de certa forma alimentava meu sonho de ser passista.

SambaLá: Houve algum momento em sua vida em que você pensou em desistir do samba?

Lorena: Não nem nos piores momentos. A vida é uma caixa de surpresas e infelizmente minha vida teve uma grande reviravolta com o falecimento da minha mãe, quando eu tinha apenas 15 anos. Um ano depois uma das minhas irmãs também faleceu. Foi uma fase muito difícil para todos nós … Eu era uma adolescente com uma irmã pequena de apenas 2 anos de idade e meu pai para cuidar…

Sem perder o rebolado, cuidei da minha irmã, do meu pai e me dediquei aos estudos, me graduando anos depois em Pedagogia. Mas, durante esse tempo todo eu nunca me desliguei do desejo de ser passista, e do sonho de desfilar no no sambódromo no Rio de Janeiro…

SambaLá: Você conseguiu realizar seu sonho de desfilar no Rio?

Lorena: A essa altura da minha vida eu já tinha visitado várias vezes o Rio de Janeiro. Sempre que ia lá eu frequentava os barracões de escola de samba, participava dos ensaios nas ruas, rodas de samba em bares ou em pontos turísticos da cidade, carnaval de rua… Eu sempre sentia uma sensação maravilhosa ao ouvir o som da bateria, havia algo dentro de mim que me motivava e só aumentava ainda mais o meu desejo…E quando retornava para Minas Gerais, eu falava com os olhos brilhando das experiências que tinha vivido e das sensações que eu tinha experimentado ao participar do samba…Assim, passei até a ser chamada de Globeleza pelos meus amigos de trabalho, e até pelos familiares. Confesso que gostava quando me chamavam assim…

Finalmente, em 2015 eu realizei o sonho de desfilar no sambódromo pela Escola de Samba Unidos da Zona Sul , uma Escola de Samba do grupo de acesso do carnaval no Rio de Janeiro.

Lorena no seu primeiro desfile no Rio em 2015, quando desfilou no grupo de acesso e fez tudo sozinha!

SambaLá: Como foi a experiência de desfilar pela primeira vez no Rio?

Lorena: Fui sozinha, fiz tudo sozinha, peguei minha fantasia e cheguei no sambódromo. Eu simplesmente comecei a vibrar de tanta emoção e ao subir no carro alegórico, eu escolhi a parte mais alta, me senti quase encostando no céu, me senti abraçada por uma força, uma energia superior maior do que eu , a qual não encontro palavras para explicar, apenas estava ali vivendo aquele sentimento… O carro começou a andar e meu coração disparou. Quando ele entrou na avenida do Sambódromo eu comecei a chorar, um choro de alegria, um choro de emoção, um choro com a sensação de estar realizando um grande sonho.

E do alto eu via as lindas cores na passarela, os carros, as alas, a bateria, a música , as passistas e tudo mais que eu sempre acompanhei pela TV e ao meu redor a plateia vibrando em palmas …

Simplesmente incrível.

Quando o carro chegou ao fim eu olhei para trás e me sentia muito agradecida por ter vivido aquela experiência memorável, única, linda e perfeita para mim… Eu olhei para a imensidão do céu que parecia estar perto de mim naquele dia lindo e disse em alto e bom som: “- Muito Obrigada Universo!”

SambaLá: Quando você decidiu vir morar nos Estados Unidos?

Lorena: Após o falecimento do meu pai em 2015, passei por outro momento muito difícil. Então depois de muito refletir, decidi viver uma nova etapa e realizar outro sonho, que era viver no Estados Unidos…Sou guerreira e não desisto nunca, ou melhor sou Brasileira!

E com minha missão profissional e familiar cumprida, eu deixei o Brasil em Agosto de 2016 e vim para os Estados Unidos na tentativa de realizar o sonho de viver no país, aprender a língua, conhecer a cultura, estudar, formar uma família, construir uma careira profissional e viver uma vida melhor.

SambaLá: Quando você chegou aqui nos Estados Unidos, você achava que ainda poderia realizar o sonho de ser passista?

Lorena: Não, sem expectativas de ser uma dançarina de samba, eu vim para Florida em busca de me estabilizar financeiramente e proporcionar também uma estabilidade para minha irmã mais nova, que hoje está com 15 anos e vive aos cuidados da nossa tia em São Paulo…Cheguei na Flórida sozinha, sem ninguém , apenas com a mala nas mãos e o coração cheio de esperança e fui recebida com muito amor e atenção. Recebi boas orientações de pessoas que pouco me conheciam e aos poucos comecei a direcionar meus próprios passos…

Mas como a vida é uma caixa de surpresas e eu estava com sede de explorar o lugar onde vivia, de conhecer  pessoas novas e fazer amizades…saía sozinha para conhecer os lugares e ficava cada vez mais encantada e certa de que estava no país certo… Eu sempre fui muito grata por tudo. Acredito que quanto mais agradecemos, mais recebemos… assim ouvia muito minha vó falar: -“A tudo dai graças, pois tudo tem um porquê de acontecer e tudo que tiver em seu coração será realizado se assim acreditar. Seja grato e tenha fé”

SambaLá: Como começou a sua relação com a Escola SambaLá?

Lorena: Eu estava vivendo na Flórida há um mês, daí recebi um flyer de uma apresentação em comemoração ao feriado brasileiro da Independência do Brasil, com apresentação de samba e show no Mizner Park em Boca Raton. Fui sozinha e quando cheguei no parque, vi que o pessoal estava concentrado para um desfile de samba. Daí senti uma emoção imensa. Havia muita gente cercando os componentes do desfile, mas eu encontrei uma forma de chegar mais perto para ver todo aquele espetáculo.

Não sabia nada da escola, mas estava fascinada e admirada com toda a equipe, com as fantasias, a bateria, as passistas, as alas… estava tudo maravilhoso e incrível, uma explosão de cores alegres, pessoas alegres e uma multidão ao redor admirando aquela escola de samba…

Eu olhei ao redor e senti uma emoção indescritível e vontade de dançar. A apresentação começou com o batuque, daí eu simplesmente não pude ficar parada…Eu comecei a dançar e admirar a todos os componentes da escola …Estava deslumbrada com tudo que meus olhos podiam ver, com todas as fantasias, cores, brilho, sorrisos, … Foi uma apresentação maravilhosa e muito rica de detalhes que me encantou…

Alex de Oliveira, Diretor de Carnaval e uma passista da SambaLá com Lorena em seu primeiro contato com a Escola em Boca em 2016.

Acompanhei a Escola de Samba em todo o trajeto, do início ao fim, dançando e apreciando o desfile. Ao final da apresentação aproveitei a oportunidade e tirei uma foto com uma passista e o mestre de cerimônias… Me aproximei novamente e perguntei a uma das integrantes da Escola, que foi muito gentil  e que me disse o nome da Escola e o telefone do Presidente David de Hilster.

E assim voltei feliz…

Semanas depois entrei em contato com o presidente por telefone, que me passou todas as informações sobre a Escola e me convidou para participar das aulas de dança com a coreógrafa e Musa da Escola.

Então,  organizei meu horário e fui participar das aulas. Fui muito bem recebida por todos , com muitos abraços carinhos e sorrisos sinceros, confesso que me senti em casa, em família…

E assim comecei a frequentar as aulas e a interagir com os componentes, além de conhecer toda trajetória da Escola, sua história e seu trabalho maravilhoso…Fui ficando cada vez mais entrosada com a Sambalá e fui convidada a participar de uma grande apresentação em um Festival Brasileiro em Pompano Beach, minha primeira apresentação pela Escola SambaLá…

SambaLá: Como foi sua trajetória até ser convidada a ser a Princesa da Escola e como você se sente ?

Lorena: Mal encontro palavras para expressar o quanto me sinto lisonjeada por participar da Escola… É uma energia poderosa,

Me dediquei de coração a viver e a participar da Família SambaLá, a conhecer e interagir com o coração do Samba: a bateria da Escola SambaLá…Participei de alguns shows privados, acompanhando a Rainha da Bateria que me auxiliou e me ensinou muito…Sem contar todo amor e carinho que recebo dos presidentes da Escola o tempo todo…

Acredito que diante da minha evolução e dedicação, fui convidada a ser Princesa da Bateria da SambaLá…

Vocês não tem ideia do orgulho que sinto!!!

Não imaginei chegar até aqui, mas estou me sentindo privilegiada por poder viver isso e também por ter a oportunidade de representar a Escola com meu samba… É sensacional tudo isso para mim…

Me sinto lisonjeada pela confiança em mim depositada, mais ainda por fazer parte da história do SambaLá, a melhor Escola de Samba da Flórida! Enfim para mim isso não é apenas a realização de um sonho, mas também o fato de que eu ganhei mais do que podia imaginar. Eu ganhei uma Família! Eu ganhei a Família SambaLá!

Portanto, eu só tenho a agradecer a todos os integrantes da Escola, a toda a família Sambalá, que sempre me recebeu com muito amor e carinho, a todos que me encorajaram, a todos que me motivaram com palavras, com abraços, sorrisos, elogios…

Agradeço à Doris e ao David pela Escola SambaLá, pelo trabalho maravilhoso que realizam e por toda trajetória inspiradora de vida e de samba… E agradeço a eles pela confiança e pelo convite!!!

Só tenho a agradecer e comemorar com dedicação e muito samba!

Quem Diria!

Lorena, apesar da garra e determinação, não podia imaginar que realizaria seu sonho justamente nos Estados Unidos! Parabéns a Nossa Princesa por toda sua dedicação e amor pela Escola! E que venham muitos Carnavais com você!

-Valiria Mattos, SambaLá

Lorena (no meio), agora está realizando o sonho dela na Flórida! Quem diria!

 

 

 

 

 

Related Articles

Responses

Your email address will not be published. Required fields are marked *